14 julho 2019

A Unisinos FM e o Tremeredomal...


Era meados de 2004 e eu ainda estudava no Parobé e começava a descobrir muita coisa nova no meio da música. Estava indo mais para a capital, conhecendo as casas de show, descobrindo bandas novas e ainda a  MTV era algo que trazia muita informação sobre música. Nesse meio de coisas novas na minha vida, descobri uma rádio que era relativamente nova perante a Ipanema e a Pop Rock (rádios bem consolidadas e conhecidas entre a gurizada): a Unisinos FM. Era uma rádio universitária e um pessoal reclamava dela por ela ser meio “alternativa” demais. Comecei a ouvir e gostei, porque a programação dela era bem diversificada. E sobre ser alternativa: era mesmo, na época achava Beatles uma banda como qualquer outra, então trazer coisas diferentes era algo que me agradava e bastante, não queria ouvir coisas que todo mundo ouvia.

E a partir daí, muita coisa mudou. A rádio me mostrou MUITOS artistas e músicas incríveis, inclusive os Beatles, que eu já conhecia, mas não aquela música que era necessária para que naquele momento fizesse eu despertar e aguçar minha audição. E em 2004, a Unisinos FM fez isso: tocou em sua programação a faixa I Want You (She’s so Heavy). E a partir dali, os Beatles entraram na minha vida de fato.

Nunca esquecerei aquela festa da Unisinos FM em 2006, onde fui apresentado a diversas bandas lá no ginásio municipal de São Leopoldo. Fomos de gurizada, encaramos todas as voltas que o TM3 dá no mundo até chegar lá e foi muito afude! E conheci uma banda chamada Superguidis. De 2006 até 2011, as idas a show tiveram outro sentido depois de conhecer eles.

Foram tantas bandas, tantas lembranças e tantas coisas que a Rádio me deu. Até na literatura, descobri tanta coisa com os clubes do livro com o Rodrigo de Oliveira e a Camila Kehl (a melhor dupla do jornalismo brasileiro)! Foram tantos momentos que, de alguma forma, a rádio se fez presente. Já era parte da minha vida, tanto que eu senti saudades quando não conseguia ouvir tanto em alguns momentos (geralmente por questão de trabalho)...

Pra mim, a Unisinos sempre foi aquele primo legal que te fala de coisas que tem no mundo, aquele que gosta das mesmas coisas que tu , que te ajuda, orienta, é tão plural e complexo que admira... Enfim, e essa rádio acabou. E com ela, fica tantos momentos legais na minha memória,  daquilo que vivi e recordo com muita alegria de tudo que foi proporcionado por ela.

Quero deixar essa postagem como uma SINGELÍSSIMA homenagem a importância da rádio na minha vida, mas que tenho a convicção que foi importante na de muita gente que, de alguma forma, via a música como um meio de mudança. Então deixo o meu muitíssimo obrigado ao Rodrigo de Oliveira, a Camila Kehl, ao Alemão Vitor Hugo, a Vanessa Ioris, ao Caubi Scarpatto, ao Jimi Joe, ao Porsche, Kátia Suman, ao Tomas Bello, ao Leandro Vignolli, a Fernanda Franzon, ao Porã e tantos outros que foram amigos, professores, companheiros de banda e me mostraram TANTA coisa legal. Espero ainda poder ver todos vocês um dia desses, agradecer devidamente e abraçar à todos.

Muito obrigado, Unisinos FM : vocês fizeram minha vida mais feliz, mais inteligente e interessante! Até logo, amo vocês! =’]

30 setembro 2018

Superação

E aí, gurizada! Resolvi fazer minha atualização anual do blog! E vamos para as ironias: venho fazer isso na parte do ano que mais estou ocupado! lol Mas me sinto bem. Finalmente voltei ao mercado de trabalho! Muitas das sensações de estar no limbo da produtividade são escanteada. Me sinto bem melhor, mais confiante, volto a pensar no futuro... Sonhar com algo melhor é bom! Posso sentir isso de novo...

Mas a vida é realmente muito incrível. Ela muda tanto. E mudamos tanto com ela... Eu me lembro do tempo do colégio, onde eu me achava muito inferior aos meus colegas. Parecia que todos podiam ter sonhos, seguir eles, se superar, realizar, fazer... De fato, verbos na vida. Mas eu não. Eu era um objeto que só assistia. Um NPC, digamos assim... Mas daqueles que, nos roteiros, nasceu pra se dar mal, se frustrar, etc... Depois de muitos anos, consigo confiar em mim. Claro, sei das minhas limitações, sei que tem muita coisa que está longe de mim... Porém, sei também que posso. Sei que tudo tem a chance de acontecer, talvez não na intensidade que eu gostaria, ou na quantidade, não exatamente aquilo que projetamos... Mas posso acreditar.

É tão bobo ler isso ou pensar que tudo pode parecer tão óbvio. Mas, de fato, não é. Aceitar tudo isso é um processo longo e que pode mudar de direção a qualquer momento. Vou curtir por hora isso e aceitar: tem coisa bala a ser feita! Uma delas será a prévia do meu aniversário. Essa festa que eu faço há mais de 10 anos (quase 20, na verdade) é uma das coisas que eu mais insisti na vida desde que comecei a tocar algum instrumento e descobri a música na vida. E semana que vem, no dia 07, quero fazer um experimento bem ousado aqui: vamos testar alguns equipamentos, iluminação e uma transmissão ao vivo disso tudo... Sim, sempre sonhamos com isso e agora acho que dá... Algumas coisas podem demorar, mas chegam... ^_~

Enfim, ainda sigo várias das minhas cruzadas com meus dilemas, dúvidas, como se estivesse no meio de um universo de infinitas possibilidades. Ou em uma das reflexões de Martin Fierro... Ou ainda em uma das reflexões do Murakami. Mas só de pensar que posso estar escrevendo uma história, um novo desfecho... Isso por hora me deixa feliz. Que venham as dificuldades, as tristezas para que eu possa rir disso tudo mais uma vez.

Obrigado por não desistirem do blog ou de mim, eu não vou desistir de vocês, do blog... E nem de mim. Até mais e nos vemos semana que vem, seja pessoalmente, ou pelo Twitch! \m/


Yo vengo a ofrecer mi corazón - Fito Paez


Quién dijo que todo está perdido

Yo vengo a ofrecer mi corazón
Tanta sangre que se llevo el río
Yo vengo a ofrecer mi corazón

No será tan fácil ya sé qué pasa

No será tan útil como pensaba
Como abrir el pecho, y sacar el alma
Una cuchillada de amor

Luna de los pobres siempre abierta

Yo vengo a ofrecer mi corazón
Como un documento inalterable
Yo vengo a ofrecer mi corazón

Y uniré las puntas de un mismo lazo

Y me iré tranquilo, me iré despacio
Y te daré todo, y me darás algo
Algo que me alivie un poco más

Cuando no haya nadie cerca o lejos

Yo vengo a ofrecer mi corazón
Cuando los satélites no alcancen
Yo vengo a ofrecer mi corazón

Y hablo de países y de esperanzas

Y hablo por la vida, hablo por la nada
Y hablo de cambiar esta nuestra casa
De cambiarla por cambiar nomás

Quién dijo que todo está perdido


Yo vengo a ofrecer mi corazón



22 dezembro 2017

Redenção

Climão de final de ano. Verão começando. Calor angustiante dando sinais de que será o verão. Dezembrão, dias antes do Natal. E novamente venho aqui eu pensar sobre o ano, sobre tudo que aconteceu!

Eu sempre gostei do Natal. Sempre mesmo. Eu acho que cada cultura tem sua forma de expressar seus ritos e o Natal sempre foi, pra mim, pensar naquelas pessoas próximas, reunir, conversar, congregar, celebrar. Porém, por mais que eu seja resistente a ideia de que só o passar do tempo degrade algumas coisas, acredito que algumas mudanças de comportamento dos nossos modos tem feito o sentido da data perder um pouco de sua força. Talvez o fato de vermos o mundo por um prisma mais inocente ajudava a ver mais cores nessas datas. Por acreditarmos mais em tudo... Mas o fato é que hoje parece tudo muito, mas muito superficial. E, ao menos pra mim, Natal nunca foi isso.

Não quero entrar muito no mérito sobre o Papai Noel e do consumismo e tals, mas sim do que o nascimento de Cristo deveria simbolizar: a união, a esperança, a paz. Acredito que nossa família, seja ela composta do que for, deve ser celebrada, reunida, fortalecida. O amor devia ser o elo entre todos os valores e termos nossa fé (seja no que for) restabelecida.

Acho que muita coisa mudou em como eu via o mundo. O mundo parece um pouco mais cinza pra mim, mais duro. Parece que algumas feridas incomodam mais do que deviam, que alguns vales são mais profundos. Porém, isso só faz eu dar ainda mais valor aqueles fatores que trazem cor nesse cenário triste: minha família. E minha família não necessariamente me refiro aos meus parentes, mas sim aqueles que estão comigo, aqueles que são a família que escolhi: meus amigos.

Agradeço de coração a cada palavra amiga, a cada xingamento com o intuito de me mostrar alguma coisa, a cada lição, a cada risada, a cada momento que fez eu me sentir vontade de chorar mesmo sem cada um notar isso. Por todos aqueles momentos que eu me sinto grato por sentir isso que nos faz humanos.
          
          Ainda acho que tem uma luz, mesmo que bruxuleante, no final do túnel. Tanto para mim, como para o país, para a sociedade. E para esse blog que rasga o véu do tempo e se mantém aqui! Desejo a todos um Feliz Natal repleto de presentes. De tudo aquilo que desejamos de bom e com muita força para a nossa caminhada!
Shalom! \o



Peace On Earth - Hanson

Do you know the reason for the season?
How the heavens came down to the earth
Bringing hope for all who will receive it
A sacrifice that forever changed the world

And the shepherds and kings
They would sing out rejoicing
And they fell to their knees
When they heard the angel's voices

Singing peace on earth
Good will towards men
There's a newborn king
Born in Bethlehem

Do you know the reason for the season?
A star that's shown for all who will believe
A holy child swaddled in a manger
A love that no man ever could conceive

And the shepherds and kings
They would sing out rejoicing
And they fell to their knees
When they heard the angel's voices

Singing peace on earth
Good will towards men
There's a newborn king
Born in Bethlehem

All the stories tell
How they followed the star
On the first Noel
On the first Noel

Peace on earth
Good will towards men
There's a newborn king
Born in Bethlehem

Do you know the reason for the season?